recursos humanos

na generalidade das instituições (em particular das escolas) não conheço, não me apercebo, não vislumbro estratégia de gestão de recursos humanos;

certamente que aquando da distribuição de serviço docente deverão existir critérios, orientações, umas explicitas e conhecidas, outras nem tanto, sobre a coisa, mais não seja naquilo que uns quantos designam de perfil para (o que quer que seja);

mas uma estratégia sustentada, orientada, coerente, organizada, divulgada, eventualmente mas não necessariamente debatida, não conheço;

cada um faz o que pode, o que sabe ou simplesmente o que quer; cada um segue mais ou menos as suas orientações, com maior ou menor criatividade, flexibilidade ou ligeireza;

mas gosto de ver, neste final de ano escolar, o quanto brilham alguns olhinhos de docentes quando organizam coisas que gostam, promovem iniciativas na qual se reconhecem e assumem;

foi ver uns quantos cabisbaixos, quase que adoentados ao longo do ano, de repente, por iniciativa própria fazem a súmula dos seus trabalhos, uns quantos saem da sala de aula e dão conta do que fizeram, do gosto quer têm

e quanto é bonito ver o brilho de orgulho e satisfação no trabalho que ali está;

imaginem se existisse uma gestão de recursos humanos, das condições, capacidades, disponibilidades e vontades de ns e de outros, o que não poderia ser a escola...

Comentários

Mensagens populares deste blogue

militância

sobre a flexibilidade

balanço