julgamento

na generalidade - e não quero dizer todos nem restringir a todos - temos por hábito (social e profissional) considerar o outro por aquilo que somos;

a bitola para avaliar o outro nas suas diferentes dimensões (sociais e/ou profissionais) decorre em muito do que somos e do que julgamos ser e conhecer de nós mesmos;

só podemos avaliar o que conhecemos e como, na generalidade das situações, nos conhecemos melhor que ao outro, consideramo-nos como bitola de comparação;

daí não virá mal ao mundo, mas que é claramente idiota não dar os devidos descontos, lá isso é;

atão e quando a bitola é claramente inferior ao avaliado? inveja? mesquinhez? estupidez?

Comentários

Mensagens populares deste blogue

o envolvimento do aluno

militância

Fomos ao teatro