Alentejo que morre

o Alentejo está envelhecido; as crianças escasseiam;

em contrapartida os problemas e as moengas crescem ao ritmo das geadas por esta altura;

por esta região e na sequência de outros casos, poucos serão os que não têm uma história de suicídio para contar;

a semana passada não me tocou diretamente, mas calhou a amigo;

a terra sentiu-se, as pessoas comentaram;

no cemitério, logo ali junto de mim, mais duas campas com a designação de suicídio;

crescer com esta moenga; é duro, não é natural nem sequer normal, mas torna-se normal, naturaliza-se;

é a morte, o que se lhe há de fazer, comentava a ti maria a tapar o sol que a incomodava àquela hora

Comentários

Mensagens populares deste blogue

o envolvimento do aluno

militância

Fomos ao teatro