chumbo no Alentejo

e não se trata de caça, por muito que queiram tornar isto uma qualquer coutada, de uns quantos, de alguns;

o público de sexta feira passada deu conta da estatística do (in)sucesso referente ao ano letivo de 2014/2015, onde se destaca que o Alentejo ocupa a parte final das tabelas;

será sina? somos mesmo burros ou apenas a escola não faz compensações entre cultura social regional (pouco valorizadora da escola) e cultura escolar?

em termos de análise destaco diferentes ideias.

as escolas do Alentejo são ainda muito marcadas pela instabilidade docente; perante a flutuação do corpo docente podem ser apontadas situações referentes ao (des) conhecimento do contexto, às relações estabelecidas entre o local e a escola;

por aquilo que consigo perceber da minha prática profissional ou das leituras que faço, existe, por parte das famílias, reconhecimento social da escola; isto é, a generalidade das famílias reconhece à escola e aos professores papel fundamental na alteração social e económica de cada um.

é certo que é mais evidente nos níveis iniciais de escolarização e que se desvanece à medida que a escolaridade avança; aqui competiria à escola criar diferença; e, aparentemente, não cria.

As lideranças escolares são, de um modo geral, estáveis pelas diferentes escolas e agrupamentos do Alentejo. Não direi que se perpetuam mas distem-se no tempo; tem coisas boas, permitem conhecer dinâmicas e realidades, adatar estratégias e diversificar soluções; tem coisas más, tornam-se rígidas, desresponsabilizam-se da sua ação e comparticipação;

o que fazer? o que se faz para compensar os resultados?

Comentários

Mensagens populares deste blogue

militância

sobre a flexibilidade

balanço