coisas da lógica ou da falta dela

é uma pergunta que faço e que fiz na última reunião de avaliação em que participei;

analisam-se dois ou três alunos, 7º ano, um e outro com 15 anos feitos, complicados, delicados quer nos comportamentos, quer no seu enquadramento social e familiar; ambos com múltiplas retenções, comportamentos desadequados (mais por questões de afetos que por quezílias), planos em vigor apenas para "inglês ver", carregados de níveis dois;

final de segundo período e tudo aponta para nova retenção;

há quem pergunte, o que fazer a estes alunos?

e eu provoco, serão os alunos que têm de mudar ou seremos nós, docentes, que teremos de mudar?

aqui, no dito regular, exigimos rigor, objetivos, assertividade, regras, prontidão e disponibilidade por parte do aluno;

não cumpre? atirado para vias alternativas onde, criadas por um governo de extrema direita, estão implementadas passagens quase administrativas;

com os mesmos professores, com o mesmo pensar, mas no vocacional tudo se muda, incluindo concessões, tolerância e, aí, no vocacional, cedemos, adaptamos, toleramos, reconstruímos e, imagine-se, encontramos outras soluções para o aluno, para este mesmo aluno e, pasme-se, soluções de sucesso (quase) garantido;

terá isto lógica?

Comentários

Mensagens populares deste blogue

militância

sobre a flexibilidade

balanço