da necessidade

democraticamente não há sistemas perfeitos; todos têm os seus quês, se não é para uns será por causa de uns; 

a eleição para diretor de um agrupamento de escolas, pelo definido na legislação, serve dois ou três propósitos; 

dar voz a todos quantos têm interesses na escola; 

legitimar lógicas e princípios de pseudo competência; 

validar os processos nacionais, pelos quais se orienta e enquadra, afinal, um diretor geral também é assim escolhido; 

justifica-se? será o mais adequado ao contexto escolar e/ou educativo? é sério perante os interesses e como eles se jogam no local? será ele efetivamente representante dos interesses?

talvez sim, talvez não, mas é o que temos e é com o que temos de viver...

Comentários

Mensagens populares deste blogue

em pausa pedagógica

a sociedade na sala de aula

de regresso